Patos-PB, Sábado - 22 de Setembro de 2018

Notícias

Imprimir   

Trabalho infantil é combatido no lixão de Patos pela secretaria municipal de Desenvolvimento Social

Na manhã desta sexta-feira, dia 12 de Janeiro, equipes do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), do Centro de Referência Especializada em Assistência Social (CREAS) e do Conselho Tutelar, estiveram realizando uma ação de fiscalização e conscientização para tentar coibir o trabalho infantil no lixão de Patos, local que apresenta um problema ambiental e social uma vez que é a população mais pobre que convive com ele.

 

Além de promover campanhas, intensivas, em períodos festivos como: São João e festa de Nossa Senhora da Guia, a rede de proteção a Criança e do Adolescente, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, também, realiza ações de rotina em vários locais do município onde a incidência de trabalho infantil é maior.

 

A coordenadora do CREAS, Michele Rodrigues, disse que as equipes estão, frequentemente, visitando o lixão de Patos para averiguar se há violações dos direitos das crianças e dos adolescentes. “Foi constatado hoje, através desta visita, in loco, que há duas crianças trabalhando aqui; e nós vamos tomar as providencias, entrando em contato com as famílias desses menores para que eles, ao invés de estarem trabalhando, estejam realizando atividades educativas nos serviços oferecidos pelos CRAS do nosso município”, reforçou Michele Rodrigues.

 

Além do lixão, ações preventivas e de conscientização são realizadas, semanalmente, no mercado público, feiras livres e em demais locais onde possa existir uma maior possibilidade de estar sendo desenvolvido qualquer tipo de trabalho infantil.

 

A coordenadora do PETI, Gisiane Brandão, que também acompanhou a visita, disse que é importante a população fazer a sua parte, combatendo o trabalho infantil através de denúncias para os órgãos competentes. “Desde as primeiras campanhas que nós estamos, sempre, pedindo para que a população seja parceira do nosso trabalho ligando para o disque 100 e o disque 123 caso exista alguma situação de trabalho infantil; pois, assim, vamos agir de forma ativa para resolver a situação”, finalizou a coordenadora do PETI.

Fala de Gisiane Brandão - coordenadora do PETI

Fala de Michele Rodrigues - coordenadora do CREAS

« Voltar