Patos-PB, Segunda-Feira - 18 de Novembro de 2019

Notícias

Imprimir   

Construtores civis de Patos devem procurar Administração Tributária para garantir benefícios fiscais

Os contribuintes que tiverem pendências junto ao município de Patos com relação ao alvará de construção, ISS e taxa de habite-se têm prazo até o dia 08 de novembro para regularizar-se, sendo que terão desconto de até 60% no valor final do tributo.

O desconto de 60% refere-se ao padrão baixo, os 50% de desconto equivale a padrão médio e 40% aos demais padrões. 

O benefício dar-se-á pela Lei Complementar nº 10/2019 da Lei de autoria do Poder Executivo, que altera dispositivos da Lei nº 3.541, de 22 de dezembro de 2006, que institui benefícios fiscais a classe dos construtores civis. Após o prazo de 08 de novembro, antes de iniciar a obra, o contribuinte deverá dirigir-se à Secretaria de Infraestrutura para solicitar o alvará de construção, para obter benefícios. O benefício da dedução automática, de 65%, de material só será garantido antes do início da obra.

O Diretor de Administração Tributária do município, Miréllio Alves de Almeida, destacou a lei que garante o incentivo.

“Aquele contribuinte que foi notificado e tem uma pendência junto ao município, mesmo que o tributo já tenha sido lançado, ele vai ser beneficiado pela Lei conforme artigo 2° da Lei Complementar nº 10/2019”.

O contribuinte deverá buscar a Secretaria de Infraestrutura para averiguar a parte técnica e a relação dos documentos e, em caso de dúvidas, esclarecer com os fiscais de obras para protocolar o pedido da emissão do alvará de construção. 

“Essa Lei Complementar possibilitou um maior desconto e incentivo maior para os construtores. Foi uma reivindicação antiga que foi proposta recentemente e que abrange, não só os construtores, como toda empresa que preste serviço na área de construção no município de Patos. Eles têm uma dedução de até 65% da base de cálculo para esse recolhimento antecipado. Os valores ficam razoáveis e mostram o incentivo para a construção civil”, afirmou Miréllio Alves.




Coordecom
« Voltar